Minha primeira vez voando low cost

Durante a minha última viagem pela Europa, que durou vinte dias e contou com cinco destinos diferentes, eu tive os meus primeiros contatos com uma companhia aérea low cost. Essas companhias são muito famosas e utilizadas em toda a Europa e o pessoal lá já é bem acostumado com as regras e não tem maiores problemas pra usá-las, como vemos muito em relatos por aí, de pessoas que tiveram que pagar pela bagagem extra, que tiveram que ficar abrindo mala no aeroporto pra mudar coisas de uma mala pra outra.

Apesar dessa viagem ter sido bem conturbada (estou devendo post sobre isso, eu sei! rs) nós saímos daqui com todas as passagens compradas, inclusive as low cost e com todas as informações na cabeça (e anotadas). Fizemos dois vôos nessas condições: de Londres a Oslo (fomos de Ryanair) e de Oslo pra Barcelona (fomos de Norwegian). O problema maior, claro, foi o peso da bagagem, já que quando saímos do Brasil com destino a Paris, poderíamos levar uma mala de 32kg cada um. Mas aí é que mora o segredo da coisa toda. Eu e meu pai saímos daqui com uma mala de 20kg cada um, pois era o que poderíamos levar nos vôos internos lá pela Europa.

As companhias low cost permitem apenas uma bagagem de mão de 10kg por passageiro e uma mochila. Porém, como nossa viagem levaria vinte dias e teríamos que levar algumas coisas pra minha irmã que mora na Noruega (brasileiro morando fora é certeza de comida na mala de quem vai visitar! rs), decidimos comprar uma bagagem de porão pra cada um em cada vôo, o que nos daria uma mala de 20kg cada um nesses vôos internos. A estratégia foi essa e deu bem certo… até a gente sair da Noruega! rs

Sim Brasil, passei pela situação de ter que abrir a mala no meio do aeroporto e ter que distribuir o peso da bagagem pra embarcar pra Barcelona, tamanho foi o exagero de chocolates e comidas que compramos na Noruega. Mas confesso que isso não foi um problema e depois de mudar algumas coisas de lugar, deu tudo certo. O processo das companhias low cost é bem self-service, você faz todo o processo de check-in e despacho de bagagem sozinho. Na primeira vez foi mais difícil, porque você não conhece, não sabe como funciona e as informações não estão no seu idioma, então demora até você entender como tudo acontece no aeroporto, por isso indico chegar bem mais cedo! rs

Em resumo, achei bem prático, rápido e econômico. É verdade que não servem nada durante os vôos, mas pela distância e tempo dos trechos que fizemos, não achei que foi algo que faltou. No vôo da Ryanair ainda comprei uma mini Pringles e pagamos € 1! Achei até barato! rs

Os poucos funcionários que tem nos aeroportos são simpáticos e nos tratarem bem. O mesmo posso dizer da tripulação, todos bem atenciosos e dispostos. Já os aviões são pequenos e apertados, como todo avião em que já voei na vida (sou alta, então já tô acostumada), inclusive bem parecidos com o da Air France que pegamos pra sair do Brasil até Paris, que também vai render post nesse blog, tamanha a minha decepção! rs

Nenhum comentário

Enviar um comentário